Dom Demetrio Valentini sulla marcia del MST

Dom Demetrio Valentini sulla marcia del MST
5 maggio 2005
La marcia dei senza terra ci invita a metterci tutti in cammino riprendendo la ricerca di un progetto di paese che contempli i diritti fondamentali di tutti (brano dell'intervento di Dom Demetrio Valentini, vescovo di Jales - S.Paulo, riportato sotto integralmente in portoghese).

Realizzando questa nuova marcia il MST offre alla società brasiliana una testimonianza valida e opportuna. In questo momento di perplessità delle forze sociali, ancora scoraggiate per la frustrazione delle aspettative facili che erano state suscitate dall'attuale governo, bisogna riprendere il cammino politico, in modo cosciente e organizzato.

La marcia diventa simbolo dell'esercizio responsabile della cittadinanza. Ci convoca perché ci mettiamo anche noi in cammino, riprendendo la ricerca di un progetto di paese che contempli i diritti fondamentali di tutti e che renda possibile la partecipazione dei diversi segmenti sociali alla sua costruzione. Ognuno di questi segmenti deve assumere il suo spazio,nella marcia permanente della cittadinanza.

In questo senso la marcia a Brasilia rafforza la proposta di mutirão per un nuovo Brasile lanciata dalla CNBB insieme ad altre organizzazioni e movimenti sociali all'interno della quarta settimana sociale brasiliana che è in via di svolgimento e nella quale il MST si è sempre sentito impegnato.

Per l'eroismo e la disciplina che implica, la marcia ricorda altri eventi che la grande storia registra, soprattutto la lunga marcia del popolo di Israele. La motivazione di uscire da una condizione di schiavitù diede il coraggio di affrontare il lungo deserto, con tutti gli ostacoli che presentava.

Prima di partire, cercarono insistentemente il Faraone, nella speranza di ottenere la libertà come concessione del potere. Finché non si resero conto che la libertà poteva essere frutto solo della loro azione, cosciente e organizzata. Quindi lasciarono da parte il potere stabilito e si misero in marcia, nella speranza rinnovata di arrivare alla terra dei loro sogni.

La lezione continua ad essere valida. Non sarà mai il potere stabilito che concede diritti ai cittadini. Sono loro che devono conquistarli, ponendo la struttura dello Stato a servizio delle vere aspirazioni del popolo. Ma per questo c'è bisogno di coscienza, decisione, ostinazione e organizzazione politica

Questo difficile deserto che la cittadinanza deve attraversare continuamente. La marcia ci dice che è possibile raggiungere il luogo che ci è destinato se ci mettiamo sulla strada giusta con lucidità e convinzione.


Marcha Nacional pela Reforma Agrária
Marcha para Brasília
Por Dom Demétrio Valentini

Está em pleno andamento a Marcha para Brasília, organizada pelo MST, com o apoio de outros movimentos sociais, em favor da Reforma Agrária.

Partindo de Goiânia, a marcha espera chegar a Brasília, percorrendo a pé os duzentos quilômetros do trajeto. Dez mil pessoas, provenientes de vinte e três estados, puseram-se a caminho, com o propósito de levar suas reivindicações à capital do país, onde se encontram os poderes supremos da nação, tanto do Executivo, como do Legislativo e do Judiciário.

Por seu rumo, a marcha deixa claro, de saída, que sua causa é de âmbito nacional, e que sua postulação interpela o Estado brasileiro.

Esta nova iniciativa do MST encontra na marcha de 1997 o precedente histórico que lhe garante credibilidade. A chegada a Brasília coincidia naquele ano com o primeiro aniversário do massacre de Eldorado dos Carajás, a 17 de abril.

Daquela vez, a marcha surpreendeu a sociedade brasileira, por sua organização, competência e seriedade. Foi o atestado de maturidade do MST. E o governo se viu na obrigação de acolher os seus líderes, e dialogar com eles. Finalmente, havia interlocutores que assumiam a causa da reforma agrária como própria, na condição de sujeitos que reivindicavam direitos que eram seus, como atores legitimados pelo exercício de sua cidadania.

Ainda hoje o MST se sente no compromisso de carregar esta bandeira da Reforma Agrária. Não só por interesse próprio. Mas como componente indispensável de um projeto de país que coloca seus recursos, em primeiro lugar a terra, a serviço da vida digna dos seus cidadãos.

Realizando esta nova marcha, o MST dá para a sociedade brasileira um testemunho valioso e oportuno. Neste momento de perplexidade das forças sociais, ainda decepcionadas pela frustração de expectativas fáceis que tinham sido colocadas frente ao atual governo, é preciso retomar a caminhada política, de modo consciente e organizado.

A marcha se torna símbolo de exercício responsável da cidadania. Ela nos convoca para também colocar-nos a caminho, retomando a busca de um projeto de país que contemple os direitos fundamentais de todos, e que torne possível a participação dos diversos segmentos sociais na sua construção. Cada um desses segmentos precisa assumir o seu lugar, na marcha permanente da cidadania.

Neste sentido, a marcha para Brasília reforça a proposta do mutirão por um novo Brasil, lançada pela CNBB em conjunto com outras entidades e movimentos sociais, dentro do processo da Quarta Semana Social Brasileira que está em andamento, e onde o MST sempre se sentiu engajado.

Pelo heroísmo e pela disciplina que a marcha implica, ela lembra outros eventos que a história maior registra, sobretudo a longa marcha do povo de Israel. A motivação de deixar a escravidão deu coragem para enfrentar o longo deserto, com todos os obstáculos que ele apresentava.

Antes de partirem, procuraram com insistência o Faraó, na esperança de obterem a liberdade como concessão do poder. Até que se deram conta que a libertação só podia ser fruto de sua própria ação, consciente e organizada. Então, deixaram de lado o poder estabelecido, e se colocaram em marcha, na esperança renovada de chegarem à terra dos seus sonhos.

A lição continua válida. Não será nunca o poder estabelecido que outorga direitos aos cidadãos. São eles que precisam conquistá-los, colocando a estrutura do Estado a serviço das verdadeiras aspirações do povo. Mas para isto é preciso consciência, decisão, persistência, e articulação política.

Este o difícil deserto que a cidadania precisa atravessar continuamente. A marcha nos diz que é possível chegar ao destino, se nos colocamos no rumo certo com lucidez e convicção.