Campagna internazionale contro la Stora Enso

Campagna internazionale contro la Stora Enso
11 Agosto 2008
Cari amici e amiche del MST e di Via Campesina, stiamo lanciando una:
Campagna internazionale di invio di messaggi alla diresione dell'impresa Stora Enso e ai governi di Svezia e Finlandia denunciando le attività dell'azienda in Brasile.
Troverete in basso il testo del messaggio da inviare e il documento da inviare anch'esso, che raccoglie le denuncie dell'attività dell'impresa.
Speriamo che possiate portare avanti questa campagna in Europa e in particolare in Svezia e Finlandia. La nostra proposta è di inviare messaggi durante tutta l'ultima parte del 2008. La settimana prossima consegneremo questo documento alle Ambasciate di Svezia e Finlandia a Brasilia. In Settembre durante il Forum sociale europeo in Svezia raccoglieremo firme e ci sarà una delegazione brasiliana per portare avanti la denuncia.
Speriamo che possiate divulgare il documento-denuncia nella stampa europea. Vi ringraziamo in anticipo per la vostra solidarietà. L'espansione della monocultura di eucaliptos, alla ricerca del facile profitto di queste imprese, mette a rischio la nostra biodiversità, l'equilibrio della natura, del clima, e la possibilità di realizzare l'agricoltura familiare e contadina in Brasile, Uruguay e Argentina.

Un forte abbraccio,
segreteria delle relazioni internazionali del MST
Segreteria operativa Via Campesina Brasil
Brasilia 11 agosto 2008

Il messaggio denuncia il cattivo comportamento della Stora Enso in Brasile e tra l'altro:
L'acquisizione di terre nel Rio Grande do Sul nella fascia di frontiera, non rispettando la legislazione brasiliana; le violazioni della legislazione ambientale; la realizzazione di monoculture di eucalipto con gravi conseguenze per l'ambiente, le acque e la sopravvivenza di centinaia di forme di vita vegetale e animale; l'acquisizione di terre adatte alla riforma agraria, destinandole alla produzione di cellulosa, alimentando proteste tra i senza terra accampati da anni; i finanziamenti alle campagne politiche di candidati a deputati e ad altre cariche pubbliche da cui dipendono licenze importanti per l'azienda; la violentissima repressione delle donne contadine che hanno cercato di denunciare queste irregolarità ecc.
L'impresa, conclude il messaggio, è responsabile dell'aumento della concentrazione della proprietà della terra, della maggior concentrazione della ricchezza, dell'aumento dell'esodo rurale, di gravi aggressioni all'ambiente che avranno gravi conseguenze in futuro. Di questo un giorno il popolo brasiliano e del RGS vi chiederà ragione.

 

  1. Messaggio e relativi indirizzi (in inglese)
  2. Documenti in inglese da allegare
  3. Documenti in portoghese da allegare

Messaggi da inviare in inglese ai seguenti indirizzi

  • Mr. Jouko.Karvinen CEO - StoraEnso
    jouko.Karvinen@storaenso.com
    Stora Enso Oyj Head Office
    Kanavaranta 1
    P.O.Box 309
    FI-00101 HELSINKI
    Finland
    Tel. +358 20 46 131
    Fax +358 20 46 214 71
  • Stora Enso AB Head office
    World Trade Center, Klarabergsviadukten 70, C4
    P.O.Box 70395
    SE-107 24 STOCKHOLM
    Sweden
    Tel. +46 (0)1046 46 000
    Fax +46-8 10 60 20
  • Governement of Sweden
    Primeiro Ministro: Fredrik Reinfeldt
    Switchboard work+46 8 405 10 00
    Address workRosenbad 4
    Postal address postal103 33 Stockholm
    http://www.sweden.gov.se/sb/d/7499
    (Bisogna entrare nel sito per inviare il messaggio)
  • Governement of Finland
    Primeiro-Ministro:Matti Vanhanen
    matti.vanhanen@vnk.fi
  • To the stockholders and managers of Stora Enso corporation
  • And to the governments of Sweden and Finland

The names signed below take responsibility to communicate and inform the board of directors of Stora Enso cellulose corporation and the governments of Sweden and Finland, as well as any other people who might be interested, the wrong ways of doing business of the company's Brazilian branch, made clear in internal investigations, and which have been extensively reported by the Brazilian media, such as:

  1. The purchase of land in Rio Grande do Sul, close to the Brazilian border, against Federal Law, and without the necessary legal proceedings.
  2. The irregular establishment of a company, Azenglever, which is boarded by the directors of Stora Enso's Brazilian branch, with the purpose of bypassing the Law, and with the inability to match the directors' income with the company's earnings, yielding a possible investigation by the Federal Police, and Public Prosecution.
  3. Putting pressure on local political authorities to violate environmental legislations, which, in turn, generates anger and aversion in civil society, hurting the company's image, and creating judicial insecurity for the future; these manipulations have led to the discharge of an environmental state minister and of the president of the state agency FEPAM, responsible for studying environmental impacts, as well as creating protests by all public sectors related to environmental issues.
  4. Disregarding the severity of implementing vast areas of eucalyptus monoculture in the pampas biome, and the very severe consequences on the environment, the subsoil water, and the survival of hundreds of animal and plant forms that belong to the biome.
  5. The purchase of land fit for agrarian reform with the purpose of producing cellulose, creating anger in the landless agricultural families that had been camping there for years with the expectation of getting help from the Brazilian social sector, which was defeated by Stora Enso's actions.
  6. Dedicating extensive resources on political campaigns for congressmen and other public positions that although they are legal, they are highly immoral, since the company needed permits to be approved by these politicians.
  7. Violently repressing rural women for trying to expose all the irregularities, and social and environmental problems created by wrongful course of action that Stora Enso has been taking, in an attempt to stand by human rights.
    This is all we wish to communicate at the moment, although we are in your disposition in the case you need more important information. Attached is a document explaining everything in a more detailed manner.
    As you can see, this company is responsible for increasing the concentration of land ownership, for increasing the concentration of wealth, for the increasing the migration of rural people to cities, and for severe damage to the environment, which will have serious long-lasting future consequences. One day, the people of Brazil and the people of Rio Grande do Sul will charge you for all that the company has done.

.....


Documenti da annettere ai messaggi in inglese
Denunciation of the Activities of Stora Enso in Rio Grande do Sul- Brazil
1. Introduction
The Swedish-Finnish corporation Stora Enso is the largest producer of paper and cardboard in the world. Some years ago, seeking better natural conditions for the production of cellulose, it began to transfer its investments to Brazil in search of higher profits. To reach its goals it joined other monopoly groups that already produced cellulose in Brazil such as Aracruz ( a Norwegian company that now partakes of international, national and state financial capital, ) and also Votorantin (Brazilian cellulose corporation). From this alliance was born the biggest cellulose factory in the world, Veracel built in the South of the state of Bahia.
Currently, Veracel (ownership of which is 50% Aracruz and 50% Stora-Enso) has 205,364 hectares of land in the south of Bahia, of which 95,574 hectares are already planted with eucalyptus. Besides this, the corporation has around 23,000 hectares of forest promotion, which is eucalyptus planted in partnership on the property of others. And it says it has another 100,535 in reserve. Currently the corporation is considering doubling its cellulose production of around 900 thousand tons per year. This doubling would also mean a doubling of the quantity of eucalyptus that is planted, concentrating land even more and expanding monoculture in the region.
In 2005, this corporation began to build in the state of Rio Grande do Sul in the south of Brazil on the border with Argentina and Uruguay. In just three years, the corporation has already concentrated thousands of hectares in the state. According to the corporation's own press releases, in five years Stora Enso accumulated territory equal to 100 thousand hectares in the state.
The amount of land concentrated by the corporation is even greater if we consider that along with Stora Enso, two other corporations control the planting and production of cellulose in Rio Grande do Sul: Votorantin Cellulose and Paper (VCP) e Aracruz Cellulose. At the same time, VCP is a shareholder of Aracruz and is for its part a partner of Stora Enso in a joint venture, which is Aracel. So all are part of the same conglomerate and already control half a million hectares of territory in the south of Brazil for the production of pine and eucalyptus. According to statements by its directors in the press, the planting of eucalyptus in Rio Grande do Sul should reach a million hectares by 2014.

2. Concentration of ownership of land in defiance of Brazilian Law
The acquisition of these lands implies serious social consequences. In practice, the action of the corporations has excluded hundreds of families of farmers and medium-sized land owners from their lands, offering above-market prices to convince them to sell. And whoever resists the pressure at first and becomes a neighbor of the corporation's eucalyptus, continues to feel the pressure and with time, isolation makes this farmer sell his property to the cellulose corporations. Besides this, they have obstructed the process of land reform in the state, overvaluing the price of lands and acquiring latifundios that would be destined for agrarian reform.
Brazilian law forbids a foreign company from buying lands in a zone of 150 km next to Brazil's border. Stora Enso was interested in the Brazilian lands on the border with Uruguay and Argentina because there was greater availability of lands dedicated to cattle ranching so they could buy land with better conditions for growing eucalyptus. Since the law forbids this, the corporation put together a fake company as if it were Brazilian and casually registered it with the name Azenglever in the name of two of its directors. They bought more than 80 thousand hectares of land in the border zone this way, scoffing at the law. INCRA discovered the maneuver and vetoed the transfer of property from the latifundios who were selling to the front company of Stora Enso. The fake owners on the other hand did not succeed in proving in the Federal Revenue the source of the $R200 million used to buy this land. It's obvious that the money was a foreign investment of Stora Enso.
The case is being investigated by the Federal Police and there is a process in INCRA that denied the registration of ownership of lands. But this did not prevent Stora Enso from having ownership of the lands and they have already planted eucalyptus in this areas that were fraudulently purchased.
On the other hand, the corporation is betting on its "power" to convince the authorities and has undertaken two procedures. First it entered a special request in the National Security Council in Brasilia, trying to free up these areas, arguing that the export of cellulose is also important. But the law is clear, this request would have to be made BEFORE the purchase and not after as is being done now and therefore should not be granted. And on the other hand it "motivated" Senator Sergio Zambiasi (PTB_RS) so that he could introduce a bill that is already circulating in the Senate, reducing the prohibition of the purchase of foreign lands by foreigners from 150 to only 20 km zone on the border and thus freeing up all the corporation's lands. The parliamentary maneuver is so big and so favorable to Stora Enso that fearing reactions from the military, the senator's bill would reduce the border zone only on the Southern border, keeping the same prohibition on the Western border and in the North of the country and in the Amazon region.
Proof of the corporation's illegal actions can be seen in various documents that are archived in INCRA and recognized even in an email message between the corporate attorney Valdo Costar de Rizzo, forest director João Borges and the Stora Enso vice president for Latin America, Otávio Pontes, where they reveal that the lands are being bought not in the name of Derflin (the subsidiary of Stora Enso) but in the name of Azenglever Agropecuária Ltda, whose capital would supposedly be owed by people who are legally Brazilians but in practiced acquired lands for the Swedish-Finnish corporation without needing authorization from Brazilian law and the Council for National Defense.
The effect of the concentration of land in the state is also accelerated. The process of agrarian reform and distribution of lands in the state carried out by the Federal and State governments, distributed only 130 thousand hectares of land to 15 thousand landless families in Rio Grande do Sul in the period from 1982 to 2007. In the meantime in only three years it bought 100 thousand hectares from 1200 small, medium and large landowners, concentrated in just one corporation.

3. Consequences for the Environment
Rio Grande do Sul just like Uruguay and Argentina make up part of an ecological system known as the Pampas biomass, which has a unique biodiversity with native grasses, 450 species of typical subtropical vegetation composed of 3000 vascular plants, 450 species of grass and 150 of legumes, besides 385 types of birds and 90 mammals. Some of these species are called endemic because they only occur in this ecosystem. In the subsoil of this region is the largest reserve of sweet water in the Americas, the so-called Guarani Aquifer that comprises a territory extending from the state of São Paulo to the River Prata in Argentina and Uruguay.
And it was precisely for these characteristics that this territory was chosen by Stora Enso for its project of cellulose production. Eucalyptus, the basis for cellulose, planted in Brazil can be harvested in just seven years. In the northern regions of the planet, it would need at least 50 years to develop and be used for cellulose. So this territory has all the conditions to guarantee high rates of profit. Cheap land, available biomass for planting, a lot of sun and a lot of water.
Ironically, Stora Enso and its partners call their activity "reforestation" when a forest never existed that could be restored in the pampas biomass. On the other hand, the scientists warn that the monoculture of eucalyptus trees cannot be called a forest and reforestation since a forest necessarily includes all the varieties of plants that form the biodiversity. In the case of the industrial planting of eucalyptus, all the other forms of plant and animal life that existed before in that biomass are destroyed.
Furthermore, eucalyptus consumes a lot of water. In its growth phase each plant consumes 30 liters of water daily. And it has a large capacity for evaporation, able to dry out the soil, dry up springs, lower the water table, dry up the grassy marshes, lower the water level in the small creeks and streams, etc. leaving the local population without water.
In Uruguay, where the Finnish corporation Botnia and the Spanish corporation Ence are planting 700 thousand hectares, a lack of water has already been noted. Many farm communities who were isolated by the planting of eucalyptus are already finding themselves without water and are supplied by water trucks from the local towns. According to the World Rainforest Movement (WRM), the planting of eucalyptus in Uruguay even dried up artesian wells 30 meters deep. Studies by the WRM in various countries of the world in the last 10 years, researching in farm communities about the availability of water after the arrival of eucalyptus corporations in their regions, arrives at the following conclusion: the planting of eucalyptus has a negative impact on water sources for these communities.
And according to Science magazine (12/23/2005), the planting of eucalyptus in the Argentine pampas reduced the flow of water by 52% and dried up 13% of the rivers. In Rio Grande do Sul, according to studies by the Federal University of Rio Grande do Sul (UFRGS), eucalyptus is going to consume 20% more water than the state gets in rainfall. Since the tree causes desertification and soil acidity, there will be unknown consequences for the three thousand species of plants in the pampas.

4. Factory pollution
The cellulose factories are also big users of water with the use of many chemical products for whitening cellulose, with the risk of environmental accidents always present. For example, the Botnia corporation's factory on the border between Uruguay and Argentina uses 13 chemical elements considered dangerous in the production of cellulose paste, creating 150 tons of toxic residue yearly. Argentine society reacted with protests that went on for many months.
In the case of Rio Grande do Sul the three new factories will be installed on the banks of important rivers in the state, because they need more water to be able to function.

5. The promiscuous relation between the corporations and Public Power in the State
All the planting of eucalyptus in Rio Grande do Sul is being carried out without environmental impact studies and its impact on the environment and on people, in complete violation of Brazilian law. The failure to comply with this legal prerogative constitutes a crime. Brazilian legislation is one of the most advanced in the world in considering that actions that attack the environment are also crimes. These crimes can also result in prison sentences.
But so that Stora Ensol and its shareholders would not suffer economic damages, the Governor of Rio Grande Yeda Crusium (elected in October 2006) allowed the planting of trees without an environmental authorization, unlike former governors who tried to respect environmental law.
Since there was opposition to the expansion of eucalyptus on the part of the State Secretary of the Environment who already had studies about the serious consequences, the governor got rid of Secretary Vera Callegaro. And following that, the President of the Foundation to Help the Environment (FEPAM), who was responsible for the studies, was fired. And so the way was free for the corporations to decide how and where they would plant eucalyptus, determined only by the needs of the market and of profit.
Through their union, the employees of FEPAM put together a document denouncing and protesting the clear manipulation of reports and the violation of environmental law to favor the cellulose corporations in the state.
The earlier agreement carried out by FEPAM and the corporations in the so-called Terms of Adjustment of Conduct (TAC), signed on December 31, 2006, determined that all the areas larger than one thousand hectares should be studied for an environmental authorization. FEPAM carried out a study of environmental zoning in the state in which there were highly restricted regions in which the corporations could only plant 2% of the area in eucalyptus. Other zones with average preservation could plant 30 to 40% in eucalyptus and in the other regions 50% of each property in the area could be planted with eucalyptus. These three classified regions are concentrated precisely in the region where the ranches are being purchased by the three paper companies. And now, all this regulation was overthrown and the corporations do not have to respect any of the determining conditions in the technical study. In other words, they are cultivating 100% of the ranches that they are acquiring. According to the earlier regulations, each area or ranch that is acquired for the planting of eucalyptus needed to have a specific environmental impact study. Now the government says that an authorization allows the planting of eucalyptus in any ranch of the entire region.
The promiscuity of the corporations with the conservative politicians in the state became public and notorious in the financing of electoral campaigns in 2006. The three cellulose corporations spent no less than $R2 million in the sponsorship of campaigns for candidates for the governors of the state and the 75 candidates for federal and state office of almost all the political parties. Besides the financial resources, the corporations contributed with an unlimited quantity of paper that was used in the electoral propaganda. The current governor Yeda Crusius alone received R$500 thousand from the paper companies, according to data registered in the Electoral Superior Court. (WWW.TSE.GOV.BR). (Source: A peleja do Eucalipto, by journalist João Grande, published by UFSC - Federal University of Santa Catarina)
In 2006, the Stora Enso corporation invited and paid for all the trip expenses for various state legislators to visit Finland to get to know close at hand the "development" promoted by the cellulose sector in that country. And so afterwards they offered no obstacles to the monoculture of eucalyptus in the state.
More recently, the government of Rio Grande do Sul has been printing the brochures for their government programs with paper and the financing of the Aracruz corporation.

6. Financing production activities with public funds
The Brazilian public contributed with funds and various forms of savings to make possible "investments" of these cellulose corporations. We can see evidence in various examples and concrete cases.
There's a Brazilian law approved by the Cardoso government back in 1995 that gives a tax exemption to all exports of mineral and agricultural raw materials - it's known as the Kandir Law in homage to its author, then Minister of Planning in the Cardoso government. So all the exports of cellulose in the form of paste and raw material for paper and cardboard pay absolutley no tax in Brazil. This by itself represents at the minimum a subsidy of 17% of the worth in relation to the other Brazilian exports, which are taxed.
And considering that the cellulose corporations export 97% of all that they produce in Brazil, the volume of the subsidy received by the corporations can be estimated over the value of cellulose exports, which reach more than $3 billion dollars yearly.
The taxes on import of machines and equipment needed for cutting down the eucalyptus and the industry for producing cellulose also has a total tax exemption. The corporations pay nothing to the Brazilian state.
There is an actual cartel of the cellulose industry for export and for internal production of paper and packaging by four corporations: Aracruz, Stora Enso, Votorantin, and Klabin. All of them are associated with finance capital and own factories together as partners.
To install these new modern factories that require large investments, the Bank of Economic and Social Development of Brazil (BNDES) has financed these investments, using the national treasury, generally derived from funds of the working class, and loaned funds to these corporations with subsidized interest rates well below market rate. The biggest celloulose factory in the world, Veracel, inaugurated in 2005, which belongs to the Stora Enso-Aracruz cartel was entirely financed by the BNDES in an amount corresponding to $1 billion.
On the other hand, the activities of planting eucalyptus also receive financing from the public Brazilian banks, especially BNDES and the Bank of Brazil, which offer funds with 10 year repayment schedule, 7 years of no payments and 3 years to pay. It has the longest repayment period of any credit in Brazil, clearly favoring these corporations. These amounts are, for example, much higher than the funds that are available for INCRA to expropriate lands in the states to carry out agrarian reform and also higher than the amount of credit available for the 4.5 million farm families in all of Brazil.
More recently in July 2006, the Federal government through the Central Bank lowered the schedule that allows the exporting corporations, such as the cellulose corporations, to compensate for the unfavorable rate of return, so that they can deposit in foreign banks up to 50% of the total amount of their exports in dollars or in Euros. This directive is in truth the legalization of the indirect transfer of profits and revenue for the exterior without any control.

7. Unemployment in the countryside
The introduction of eucalyptus monoculture in vast regions has brought with it unemployment and the depopulation of rural areas. These areas are purchased and immediately their former owners and workers are forced to leave the locale. Even in regions of unproductive latifundios with a low rate of manual labor, employment completely disappears from broad regions of the state.
Companies only use employment for the intense period of planting that lasts no more than three months, and then for seven years the area provides no employment to the local population.
It is clear in the municipalities already taken over by eucalyptus that favelas (or shantytowns) arise and poverty increases in the city's periphery after the start of cellulose.
There are emblematic cases such as the various plantations in the muncipality of Herval Grande, in the extreme south of the state, where there were dozens of families living as peons. Today, a monoculture of eucalptus covers the six thousand hectares, providing employment to only one person, the forest guard. The forest guard lives in the city and comes by car everyday to monitor the area for fire.
In the cellulose factories, the industrial processes introduced are the most modern in the world. Their demand for high technology and labor productivity means jobs are offered to only a few, highly qualified people.
In 2006, with the cellulose factory completely functioning, the company Veracel Cellulose employed only 741 people in its factory and plantations. These jobs do not benefit people from the region who generally have fewer qualifications. The workers at Veracel are highly qualified. No less than 42% of Veracel's employees have university degrees and the other 40% have completed secondary school.[1]
With a total investment of $1.5 billion U.S. $ in the Cellulose factory, it means a cost of $2.2 million per job created, or in terms of amount of land that Veracel has planted with eucalyptus, one job for 103 hectares of eucalyptus.
Every other agricultural activity, even livestock production, generates more jobs, and permits people to live on the property. People are not welcome to live on the land in the eucalyptus business, and if need be intruders are forced to leave by private, armed militias that do the security for all of the eucalyptus firms in Brazil, including Stora-Enso.
At the same time, factory workers of Stora-Enso in Sweden and Finland are losing their jobs because of the high profits offered to the corporation in Brazil.
The Votorantim corporation, for example, has done a lot of propaganda in the southern region of the state. They claim that with the expansion of eucalyptus, thirty thousand new jobs will open up. However, specific company projects say that the new factory will only give jobs to 2,500 industrial workers, and another 2,000 workers will have jobs in the maintenance and cutting of eucalyptus on the plantations.

8. The use of Violence to protect their illegal farms.
The close relationship between politicians and political authority has led to the systematic use of repressive organizations, juridical power, military police and state intelligence service by the authorities in order to persecute, repress, and judge the workers and population that dare to protest this devastating process of cellulose.
The most emblematic case happened on March 4, 2008 when 900 women peasants and their children occupied the Fazenda Tarumã, acquired illegally by Stora Enso in the municipality of Rosário do Sul. The peasants' occupation was intended to denounce the illegal sale of their lands that border Uruguay. They also wanted to denounce the monoculture of eucalyptus, especially its affect on food production.
Within a few hours the military police of Rio Grande do Sul, known as the Military Brigade, was transferred to protect the area of Stora Enso. All of the journalists were removed from the locale and prohibited from reporting the police action. With tear and pepper gas, dogs, horses and batons, the Police attacked the women. Hundreds were injured, including two pregnant women whose injuries could result in miscarriage.
For more than six hours, the women could not be attended to by doctors, lawyers or the press. They stayed as prey in the bus, watched by the Police. Weapons were held to their heads. The 250 children were separated from their mothers, and were only allowed food after 6 hours. Then, the women and children were detained in a gymnasium for another 12 hours. The state government ordered that the media not divulge information about the police action. Nearly 51 women of La Via Campesina stayed to exam the bodies of the injured who were seriously hurt, and lawyers contributed to the court case against the government's attacks. Now, as the legal process is underway, the victims have become the defendants. A delegate of the police has accused the women of forming a gang, invading someone else's property, and attempting to assassinate the commander of the operation, the one really responsible for the aggression.
In the face of all of this, including the harmfulness of the project to the environment and the interests of the Brazilian people, we demand the withdrawal of the Stora Enso from the state of Rio Grande do Sul and Brazil.

Porto Alegre, July 2008


Documenti da annettere ai messaggi in portoghese
Denuncia das atividades da Stora Enso no Rio Grande do Sul- Brasil

1. Apresentação
A empresa sueco-finlandesa Stora Enso é a maior produtora de papel e papelão do mundo. Já há alguns anos ela começou a transferir seus investimentos para o Brasil, em busca de melhores condições naturais da produção da celulose, para obter maiores lucros. Para alcançar seu objetivo associou-se com outros grupos monopólicos que já produziam celulose no Brasil, como a ARACRUZ (grupo de origem Norueguesa, que agora compartilha capitais financeiros mundiais, capital estatal e nacional) e também com a Votorantin (empresa brasileira de celulose). Dessa aliança nasceu a maior fabrica de celulose do mundo, a VERACEL, instalada no sul do estado da Bahia, atualmente, a Veracel, de propriedade da Aracruz (50%) e Stora-Enso (50%) tem 205;364 hectares de terras no Extremo Sul da Bahia, sendo que 95.574 hectares já platnados com eucalipto; Além disso, a empresa conta com cerca de 23.000 hectares de fomento florestal, que é o eucalipto cultivado em parceria na propriedade de outros. E diz ter mais 100.535 há para reserva.Atualmente a empresa esta estudando a duplicação da sua produção de celulose de cerca de 900 mil toneladas/ano.Essa duplicação significará também uma duplicação da quantidade de plantações de eucalipto, concentrando ainda mais terras e expandindo ainda mais a monocultura pela região.
No ano de 2005, esta empresa iniciou sua instalação no estado do Rio Grande do Sul, extremo sul do Brasil, na fronteira com Argentina e Uruguai.
Em apenas três anos, a empresa já concentrou milhares de hectares de terras no estado. Segundo informações da própria empresa para a imprensa, em cinco anos, a Stora Enso acumulará território equivalente à cem mil hectares no estado.
Os números de concentração de terra são muito maiores se considerarmos que, junto com a Stora Enso, outras duas empresas controlam o plantio e produção de celulose no Rio Grande do Sul: a Votorantin Celulose e Papel (VCP) e Aracruz Celulose. Ao mesmo tempo, a VCP é acionista da Aracruz e esta, por sua vez, é sócia da Stora Enso numa joint-venture, a Veracel. Ou seja, todas fazem parte de um mesmo conglomerado e já controlam meio milhão de hectares do território do sul brasileiro para a produção de pinus e eucaliptus. Segundo declarações de seus dirigentes na imprensa, o cultivo de eucalipto no Rio grande do sul, deve alcançar a um milhão de hectares ate 2014.

2. Concentração da propriedade da terra e desrespeito à Lei brasileira
A aquisição destas terras implica em graves conseqüências sociais. Na prática, a ação das empresas tem excluído centenas de famílias de camponeses e de médios proprietários de suas terras, oferecendo preços acima do mercado para convencê-los. E quem resiste à pressão num primeiro momento e torna-se vizinho dos eucaliptos da empresa, continua sofrendo pressão e, com o tempo, o isolamento faz com esse agricultor também vende sua propriedade para as empresas de celulose. Além disso, tem obstruído o processo de reforma agrária no estado, supervalorizando o preço das terras e adquirindo grandes latifúndios que seriam destinados à reforma agrária.
A lei brasileira proíbe que uma empresa estrangeira compre terras numa faixa de 150 km próximos a fronteira com outros países. A Stora Enso, se interessou pelas terras brasileiras na fronteira com Uruguai e Argentina, pois ali havia maior disponibilidade de terras dedicadas a pecuária. Havia maior facilidade para compra de terras melhores condições para o cultivo de eucaliptos. E também porque localizam-se sobre o aqüífero guarani, o maior lençol freático de água doce do mundo. Base importante para produção do eucalipto. Como a Lei proibia, a empresa constituiu uma empresa fantasma, como se fosse brasileira e casualmente no nome de dois de seus diretores, e registrou com o nome de Azenglever. Foram assim comprados mais de 80 mil hectares de terra na zona de fronteira e por tanto burlando a lei. O Instituto Nacional de Colonização e Reforma agrária- INCRA descobriu a manobra e vetou a transferência da propriedade dos latifundiários vendedores para a empresa de fachada da Stora Enzo. Os proprietários fantasmas por outro lado não conseguiram provar na Receita Federal, a origem dos 200 milhões de reais que usaram para comprar essas terras. Evidentemente que o dinheiro era investimento estrangeiro da Stora Enso.
O caso está sendo investigado pela Policia Federal e há um processo no INCRA (instituto de colonização e reforma agrária) que negou o registro da propriedade das terras, Mas isso não impediu que a Stora Enso tivesse a posse das terras e já tivesse realizado o plantio do eucalipto nessas áreas fraudulentamente compradas.
Por outro lado, a empresa aposta no seu "poder" de convencimento das autoridades, e encaminhou dois procedimentos. Primeiro entrou com um pedido especial no Conselho de Segurança Nacional, em Brasília, tentando a liberação dessas áreas argumentando que a exportação de celulose também é importante. Mas a lei é clara, esse pedido deveria ser feito ANTES da compra e não a posteriori como está sendo feito agora, e por tanto deveria ser nulo. E por outro lado, "motivou" o senador Sergio Zambiasi (PTB_RS) para QUE fizesse um projeto de lei, que já está circulando no senado, reduzindo a proibição de compra de terras por estrangeiros de 150 para apenas 20 km da faixa de fronteira e assim liberaria todas as terras da empresa. A manipulação parlamentar é tão grande e favorável a Stora Enzo, que temendo reações dos militares, o projeto do senador gaúcho prevê a redução da faixa de fronteira apenas na fronteira sul, mantendo a mesma proibição na fronteira oeste e norte do país e região amazônica.
As provas da ação ilegal da empresa estão presentes em vários documentos arquivados no INCRA e reconhecidas até numa mensagem por correio eletrônico entre o advogado da empresa Valdo Cestari de Rizzo, João Borges, diretor florestal, e Otávio Pontes, vice-presidente da Stora Enso para América Latina aonde revelam que as terras não seriam mais compradas em nome da Derflin (subsidiária da Stora Enso), mas da Azenglever Agropecuária Ltda, cujo capital seria supostamente detido por pessoas físicas brasileiras, mas na prática adquirirá terras para empresa sueco-finlandesa, sem precisar autorização da lei brasileira e do Conselho de Defesa Nacional.
O efeito da concentração da propriedade da terra no estado é também acelerado. O Processo de reforma agrária e distribuição de terras no estado, levadas a cabo pelo governo federal e estadual, distribuiu apenas 130 mil hectares de terra a 15 mil famílias de camponeses sem terra gaúchos, no período de 1982-2007. No entanto, a empresa, em apenas três anos, comprou cem mil hectares de 1.200 pequenos, médios e grandes proprietários, concentrando em apenas uma empresa.

3. Conseqüências para o Meio Ambiente
O Rio Grande do Sul, assim como Uruguai e Argentina, fazem parte de uma sistema ecológico conhecido como bioma do Pampa, com uma biodiversidade única com pastos nativos e vegetação típica subtropical e fria, composta de pelo menos 3.000 plantas vasculares, com 450 espécies de gramíneas e 150 de leguminosas, além de 385 tipos de aves e 90 animais mamíferos. Parte destas espécies são chamadas endêmicas, pois só ocorrem neste ecossistema. No subsolo desta região, está a (da) maior reserva(s) de água doce das Américas, o chamado Aqüífero Guarani, que compreende um território que vai do estado de São Paulo até o Rio da Prata.(na Argentina e Uruguai).
E justamente por estas características que este território foi escolhido pela Stora Enso para seus projetos de produção de celulose. O Eucalipto, base da celulose, plantado no Brasil pode ser colhido em apenas sete anos. Nas regiões nórdicas do planeta, esta árvore precisaria de, pelo menos, 50 anos para se desenvolver e ser aproveitada para celulose. Assim, esse território tem todas as condições para garantir altas taxas de lucro. Terras baratas, bioma disponível para cultivo, muito sol e muita água.
Ironicamente, a Stora Enso e suas sócias chamam sua atividade de "reflorestamento", quando jamais existiu uma floresta que pudesse ou devesse ser restaurada no bioma do pampa. Por outro lado, os cientistas advertem que o monocultivo da arvore do eucalipto, não pode ser chamado de floresta, e nem reflorestamento, pois floresta inclui necessariamente o conjunto de variedades de plantas que formam a biodiversidade. No caso da plantação industrial do eucalipto, todas as demais formas de vida vegetal e animal, que existiam antes naquele bioma, são destruídas.
Ademais, o eucalipto tem alto consumo de água, em sua fase de crescimento cada planta consome 30 litros de água diária. E tem uma grande capacidade de evapotranspiração, podendo ressecar o solo, secar olhos d'água, baixar o lençol freático, secar banhados, diminuir a água dos pequenos córregos e riachos, etc. deixando a população local sem água.
No Uruguai, onde a empresa finlandesa Botnia e a espanhola Ence plantam 700 mil hectares, já há registros de falta de água. Muitas comunidades campesinas que ficaram ilhadas pelo cultivo de eucalipto já se encontram sem água e são abastecidos por carros pipas das prefeituras locais. Segundo a organização World Rainforest Movement (WRM), o plantio de eucaliptos no Uruguai chegou a secar poços artesianos com até 30 metros de profundidade, levantamentos do WRM em vários países do mundo sobre dos últimos 10 anos, pesquisando entre as comunidades camponesas sobre a disponibilidade da água depois da chegada de empresas de eucalipto nas suas regiões, resulta na mesma conclusão: o plantio de eucalipto impactou negativamente as fontes de água para essas populações.
Ainda segundo a revista Science (23/12/2005), o plantio de eucalipto no pampa argentino reduziu 52% dos fluxos de água e secou 13% dos rios. No Rio Grande do Sul, segundo pesquisas da Universidade Federal do rio Grande do sul, UFRGS, o eucalipto irá consumir 20% mais água do que chove no estado. Como a árvore causa desertificação e acidez do solo, não se sabe que conseqüências terá para as 3 mil espécies de plantas do pampa.

4.A poluição das fábricas
As fábricas de celulose são também grandes consumidoras de água, com uso de muitos produtos químicos para o branqueamento da celulose, tendo sempre presente o risco de acidentes ambientais. Por exemplo, a fábrica da empresa Botnia, na fronteira entre o Uruguai e a Argetina, utiliza 13 elementos químicos considerados perigosos na produção da paste de celulose, gerando por ano 150 toneladas de resíduos tóxicos.
Resultando daí protestos consecutivos da sociedade argentina que duram muitos meses.
No caso do Rio grande do Sul as três novas fábricas serão instaladas às margens de rios importantes do estado, pois precisam de muita água, para seu funcionamento.

5. A relação promíscua entre as empresas e o Poder Público Estadual
Todo o plantio de eucaliptos no Rio Grande do Sul está sendo realizado sem estudos de impacto ambiental, e suas conseqüências para o meio ambiente e pessoas, desrespeitando totalmente a lei brasileira. O descumprimento dessa prerrogativa legal, se constitui em crime. A legislação brasileira é uma das mais avançadas do mundo, ao considerar também como crime, ações que agridem o meio ambiente. Podendo inclusive condenar com prisão.
Mas para que não houvesse prejuízo econômico da Stora Enso e suas sócias, a Governadora do Rio Grande do Sul Yeda Crusius (eleita em outubro de 2006) permitiu o plantio das árvores sem licença ambiental, ao contrário dos governantes anteriores, que procuravam respeitar a lei ambiental..
Como havia oposição à expansão do eucalipto por parte da Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul, que já tinha estudos sobre as graves conseqüências, a governadora exonerou a secretária sra. Vera Callegaro, E em seguida, o Presidente da Fundação de amparo ao meio ambiente, FEPAM, responsável pelos estudos se demitiu. E assim ficou liberado o caminho para que as empresas decidissem como e aonde plantariam eucalipto, seguindo apenas as necessidades lucro e do mercado.
Os servidores públicos funcionários da Fundação de proteção ao meio ambiente, FEPAM, realizaram um documento, através de seu sindicato, denunciando e protestando contra a clara manipulação de relatórios e a violação da lei ambiental para favorecer as empresas de celulose no estado.
O acordo anterior realizado pela FEPAM e as empresas no chamado Termo de ajustamento de conduta- TAC assinado em 31 de dezembro de 2006, DETERMINAVA que todas as áreas superiores a mil hectares, deveriam ter estudo para licença ambiental. Por outro lado, a FEPAM realizou um estudo de zoneamento ambiental do estado, em que havia regiões de alta restrição, em que as empresas somente poderiam cultivar 2% da área em eucalipto. Outras zonas de media preservação que poderiam cultivar de 30 a 40% em eucalipto, e nas demais regiões poderiam cultivar até 50% de cada imóvel em eucalipto. Essas três regiões classificadas se encontram precisamente na região de compra das fazendas pelas três empresas papeleiras. E agora, toda essa normativa foi derrubada e as empresas não precisam mais respeitar nenhuma dessas condicionantes determinadas pelos estudos técnicos. Ou seja, estão cultivando 100% de todos as fazendas que adquirem. Por outro lado, pelas normas anteriores, cada área ou fazenda adquirida, a que se destinava o plantio de eucalipto precisava de um estudo especifico de impacto ambiental. Agora, o governo autorizou que uma autorização apenas permite o plantio em qualquer fazenda, de toda região.
A promiscuidade das empresas com os políticos conservadores do estado ficou publica e notória, no financiamento das campanhas eleitorais de 2006. As três empresas de celulose gastaram nada menos do que 2 milhões de reais no patrocínio de campanhas de candidatos a governadores do estado e a 75 candidatos ao parlamento federal e estadual de quase todos os partidos políticos. Alem dos recursos financeiros, as empresas contribuíram com quantidade incontrolável de papel que foi usado na propaganda eleitoral. Somente a atual governadora Yeda Crusius recebeu 500 mil das empresas papeleiras, segundo dados devidamente registrados no Tribunal Superior Eleitoral. (WWW.TSE.GOV.BR). (Fonte: Livro A peleja do Eucalipto, do jornalista João Grande, editora da UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina)
Em 2006, a empresa Stora Enso convidou e pagou todas as despesas de viagem para diversos deputados gaúchos visitarem a Finlândia, conhecerem de perto o "desenvolvimento" promovido pelo setor da celulose naquele país. E assim, posteriormente não oferecerem obstáculos à implantação do monocultivo de eucalipto no estado.
Mais recentemente, o governo do Rio grande do sul vem imprimindo propaganda de seus programas de governo, com papel e financiamento da empresa Aracruz.

6. O financiamento de atividades produtivas com recursos públicos
A população brasileira contribui com recursos e poupança de diversas formas para viabilizar os "investimentos" dessas empresas de celulose. Pode-se constatar em diversos exemplos e casos concretos.
Há uma lei no Brasil aprovada pelo governo Fernando Henrique Cardoso, ainda em 1995, que isenta de impostos a todas as exportações de matérias primas minerais e agrícolas e é conhecida como Lei Kandir em homenagem ao seu autor, então ministro do Planejamento do governo FHC. Assim, todas as exportações de celulose,na forma de pasta e matéria prima pro papel e papelão, não pagam absolutamente nada de impostos no Brasil. Representando por si só, no mínimo um subsídio de 17% do valor, em relação às demais exportações brasileiras, que são tributadas.
E considerando que as empresas de celulose exportam 97% de toda produção brasileira pode-se estimar o volume do subsidio recebido pelas empresas sobre o valor das exportações de celulose, que ascendem a mais de 3 bilhões de dólares anuais.
Os impostos sobre as importações de máquinas e equipamentos necessários para o corte de eucalipto e a indústria da PRODUÇÃO DE CELULOSE também tem total isenção. Ou seja as empresas não pagam nada ao estado brasileiro.
Há um verdadeiro cartel da indústria de celulose para exportação e para produção interna de papel e embalagens formado por quatro empresas: Aracruz, Stora Enzo, Votorantin e Klabin. Todas elas são associadas a capital financeiro, e possuem fábricas em conjunto, sendo sócias entre si.
Para implantação de novas fabricas, modernas, e que exigem grandes investimentos, o Bando de desenvolvimento econômico e social-BNDES do Brasil tem financiado esses investimentos, usando a poupança nacional, em geral oriunda de fundos da classe trabalhadora, e emprestado a essas empresas com taxas de juros subsidiadas bem abaixo do mercado. A maior fabrica mundial de celulose, a VERACEL, inaugurada em 2005, e que pertence ao cartel Stora Enzo-Aracruz foi inteiramente financiada pelo BNDES em valores correspondente a 1 bilhão de dólares.
Por outro lado, as atividades de plantio de eucalipto também recebem financiamento de bancos públicos brasileiros, em especial BNDES e Banco do Brasil, que oferecem recursos com 10 anos de prazo, 7 anos de carência e três anos para pagar. É o crédito de mais longo prazo de carência. no Brasil, num claro favorecimento para essas empresas. Esses valores são, por exemplo, muito superiores aos recursos disponíveis para o INCRA desapropriar terras nos estados para fazer a reforma agrária e também superiores aos volumes de crédito disponibilizados para as 4, 5 milhões de famílias de agricultores familiares em todo Brasil.
Mais recentemente em julho de 2006, o governo federal através do Banco Central, baixou portaria que permite a que as empresas exportadoras, como as de celulose, para compensar a taxa de cambio desfavorável, a que possam deixar depositado em bancos do exterior, até 50% do valor total de suas exportações, em dólar ou euro. Essa portaria é na verdade a legalização da transferência indireta de lucros e receitas pro exterior sem nenhum controle.

7. O desemprego no campo.
A implantação do monocultivo de eucalipto em vastas regiões, traz consigo também um desemprego e a despovoação do meio rural. Essas áreas são compradas e imediatamente seus ex-proprietarios e empregados são induzidos a deixar o local. Mesmo em regiões de latifúndio improdutivo com baixa ocupação de mão-de-obra, a ocupação desaparece completamente de amplas regiões do estado.
As empresas usam apenas emprego intensivo para o plantio que não dura mais do que três meses, e posteriormente as áreas permanecem sete anos, sem dar nenhum emprego para a população local.
Nota-se já nos municípios tomados pelo eucalipto o surgimento de favelas e aumento da pobreza nas periferias das cidades após o inicio das celuloses.
Há casos emblemáticos como de varias fazendas no município de Herval Grande, extremo sul do estado, em que havia dezenas de famílias de peões vivendo em cima. Hoje, se implantou um só monocultivo de 6 mil hectares de eucalipto, que dá emprego, apenas para uma pessoa. Um guarda florestal, que mora na cidade e percorre de carro todo dia a área, para vigiar, alguma possibilidade de incêndio.
Nas fabricas, sabe-se também que os processos industriais em implantação são os mais modernos do mundo, e que exigem alta tecnologia e elevada produtividade do trabalho, oferecendo poucos empregos e para pessoas altamente qualificadas.
Em 2006, já com a fábrica de celulose em pleno funcionamento, a empresa Veracel Celulose empregava na fábrica e nas suas plantações apenas 741. Esses empregos não beneficiam as pessoas da região, geralmente com pouca qualificação. Os trabalhadores da Veracel são bem qualificados. Nada menos de 42% dos empregados da Veracel tem formação universitária e outros 40% tem segundo grau completo.[2]
Com investimento total na fábrica de Celulose de US$ 1,5 bilhão, significa um custo de US$ 2,02 milhões de dólares por emprego direto gerado, ou, em termos de quantidades de terras que a Veracel ocupa com eucalipto, 1 emprego direto em 103 hectares de eucalipto.
Qualquer outra atividade agrícola, até mesmo a pecuária, gera mais emprego, além de permitir que as pessoas moram na propriedade, o que é proibido nos eucaliptos das empresas onde o ser humano não é bem vindo e se for preciso perseguido pelas milícias privadas e armadas que fazem a segurança de todas as empresas de eucalipto no Brasil, inclusive da Stora-Enso.
Ao mesmo tempo, trabalhadores nas fábricas da Stora-Enso na Suécia e Finlândia estão perdendo seus empregos, por causa da maior lucratividade que hoje o Brasil oferece a empresa.
A empresa Votorantim, por exemplo fez ampla propaganda na região sul do estado, dizendo que com a expansão do eucalipto se abririam 30 mil novos postos de emprego. No entanto, em projetos específicos da própria empresa, lê-se que a nova fábrica dará emprego para apenas 2.500 trabalhadores industriais, e que outros 2 mil trabalhadores terão empregos na manutenção e corte do eucalipto nas fazendas.

8. O uso da Violência, para proteger suas fazendas ilegais.
A promiscuidade com os políticos e o poder publico, leva a que as autoridades usem sistematicamente os organismos de repressão, do poder judiciário, da policia militar, do serviço de inteligência do estado, para perseguir, reprimir e ajuizar os trabalhadores e a população que ousar ser contra esse processo avassalador, das celuloses.
O caso mais emblemático aconteceu dia 4 de março de 2008, quando 900 mulheres camponesas e seus filhos ocuparam a Fazenda Tarumã, adquirida ilegalmente pela Stora Enso no município de Rosário do Sul. A ocupação das camponesas visava denunciar a compra ilegal destas terras em faixa de fronteira com o Uruguai. E o monocultivo de eucalipto que afeta a produção de alimentos.
Em poucas horas a policia militar do estado do rio grande do sul, conhecida como Brigada Militar, foi deslocada para proteger a área da Stora Enso. Todos os jornalistas foram retirados do local e impedidos de cobrir a ação policial. Com bombas de gás lacrimogenio e pimenta, cães, cavalos e cassetetes, a Polícia agrediu as mulheres. Centenas foram feridas, inclusive duas mulheres grávidas que tiveram ameaça de aborto.
Durante mais de seis horas, elas não puderem ser atendidas por médicos, advogados ou pela imprensa. Ficaram presas dentro dos ônibus, vigiadas pela Policia. Todas foram mantidas deitadas com armas apontadas para as suas cabeças. As 250 crianças foram separadas das mães e só puderam ser alimentadas 6 horas depois. Depois, mulheres e crianças foram mantidas presas por mais 12 horas em um ginásio. A ordem do Governo do Estado era para que os meios de comunicação não divulgassem a ação da polícia. Cerca de 51 mulheres da via campesina fizeram exame de corpo delito por terem ferimentos graves, e os advogados entraram com processo contra o Governo por agressões. Agora, no transcorrer do processo, as vitimas foram transformadas em rés, pelo delegado de policia, acusando as 51 mulheres de formação de quadrilha, invasão de propriedade alheia e tentativa de assassinato do comandante da operação, responsável pela agressão.

Diante de tudo isso, pela gravidade do projeto danoso ao meio ambiente, e aos interesses do povo brasileiro, exigimos a retirada da Stora Enso do estado do Rio Grande do Sul e do Brasil.

Porto Alegre, julho 2008